yFechar menu
Não encontrou?

Pesquisar...

Tudo vale a pena quando a escrita é plena

O poeta, quando não conhece a palavra, é mais autêntico em sua obra do que o paladino da metalinguagem.

O leigo da sintaxe não se preocupa em manipular as sílabas para florear a estética. Dessa forma, predomina a função emotiva sobre a poética e sobre a metalinguística, ou seja, o eu lírico foca em si e em si mesmo apenas. Em conhecer-se, em expressar-se, em revelar-se, em sentir.

Sentir tudo o que tenta escrever; tentar escrever tudo o que sente.

Aquele que não racionaliza tudo o que faz, sem, no entanto, perder o juízo, é aquele que saboreia cada momento em sua plenitude. É o que se descobre e se realiza, sem duvidar de sua essência ou preocupar-se com o que terceiros pensarão.

É importante saber usar a métrica. Mas é essencial saber o momento de deixá-la de lado para concentrar-se no que o verso diz.

Por: Cristiano Pimenta – secretário do Conselho de Administração da Samarco e membro do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBCG).

Conteúdos

Relacionados

Mesmo com crise, executivos investem na própria qualificação

Mesmo com crise, executivos investem na própria qualificação

As incertezas geradas pela crise não estão intimidando os...
A liderança autêntica e o desafio da busca pessoal

A liderança autêntica e o desafio da busca pessoal

“Quando escrevo, repito o que já vivi antes. E...
Receba novidades

Newsletter

Para acompanhar nossas novidades, insights e outros formatos de conteúdo, cadastre-se e siga conosco. Será um prazer ter a sua companhia nessa jornada.