yFechar menu
Não encontrou?

Pesquisar...

O que eu aprendi com a música?

Por Rivadávia Drummond*

O ano era 1995 e estava decidido a montar a melhor banda de pop, funk e soul de Belo Horizonte. Já acumulava experiência como músico tendo passado por vivências que muito me marcaram na cidade, como Markão & Banda, no Western House Neon, Cia. Supertramp, no Mr. Beef, Geraes Big Band, da Escola de Música da UFMG, e Orquestra Sinfônica de MG, no Palácio das Artes.

Montar o time dos sonhos requeria competências ímpares de relacionamento, além do entendimento de que quaisquer organizações – até mesmo orquestras e bandas de música – são arenas políticas (já assistiu ao filme “Ensaio da Orquestra” do Fellini?). No meio musical, os bons relacionamentos começam com o reconhecimento dos outros de que você é competente como músico e transita bem pelos mais diversos ambientes.

Minha escolha do time foi cirúrgica: três cantores, um naipe de sopros (sax, trompete, trombone), contra-baixo, teclado, guitarra e bateria (eu era o baterista). Mal sabia que já virara um “headhunter” ao pegar o carro e dirigir para tudo quanto é lugar da região metropolitana de BH para conversar com talentos. Eu me lembro de bairros que nunca tinha ouvido falar, igrejas e religiões que desconhecia e casebres que duvidava ser possível viver tanta gente junta. Dai era preciso vender o meu sonho, contar a história mil vezes (sim, quem conta um conto, aumenta um ponto!), mostrar para onde o sonho nos levaria e como chegaríamos lá.

Rivadávia Drummond é professor na WP Carey School of Business da Arizona State University (EUA).

Fracassos e sucessos, o time estava recrutado. O novo problema a me golpear era o velho dilema econômico de “desejos ilimitados e recursos escassos”. Boa parte dos músicos não tinha a grana para investir ou não sobrava renda extra para cobrir todos os custos envolvidos. Como todo empreendedor, tirei dinheiro do bolso e investi também incontáveis horas de trabalho que compreendiam desde ensinar inglês para os cantores, a buscar patrocínios para ajudar no custeio.

Consegui então quem patrocinasse o figurino da dança, o site da banda (raro e caro na época), a academia de ginástica e até mesmo uma coreógrafa para ensinar alguns passos de dança para todos os robôs envolvidos. Não obstante os exaustivos ensaios semanais, o reforço ao trabalho em equipe e a administração de alguns “comportamentos de diva”, ainda faltava o principal: uma boa agenda de shows para tranquilizar a moçada com a certeza de que haveria dinheiro no bolso de todos. Consegui fechar uma temporada numa casa em alta em BH à época, o Circuito Circo Bar.

Inúmeras lições me vêm à mente enquanto escrevo estas linhas. Vitórias e fracassos, inúmeros erros e aprendizados: a necessidade é realmente a mãe de todos as invenções. Aprendi no amor e na dor sobre liderança, relacionamento, gestão de talentos, trabalho em equipe e articulação política, dentre inúmeros outros tópicos que não caberiam nestes parágrafos. Houve momentos de euforia e de estar realizando algo grande, me regozijava ouvir o sonzaço daquele timaço tocando junto. Outros momentos eram de profundo desânimo e de estar sozinho remando contra a maré. Não é essa a vida de um empreendedor? Pois é, nenhuma escola ensina isso dessa forma.

A banda acabou pouco mais de dois anos da sua criação, atropelada por novas tendências musicais como o pagode e o axé que rapidamente – e ad nauseam – consumiram a preferência dos frequentadores dos espaços de música ao vivo. Durante esses anos como músico também dei aulas de música para pagar as contas e até hoje me impressiono como isso apurou a minha didática e compreensão de múltiplas pedagogias. São competências nas quais me fio hoje como pai, professor, executivo e conselheiro.

Contudo, falta responder a pergunta com a qual sou sempre defrontado: “O melhor da experiência com a música?” Respondo sem tergiversar: depois de um tempo na banda, a cantora original não aguentou a pressão e resolveu largar a empreitada. Na contratação e seleção da nova cantora, acabei encontrado o “love of my life”, minha parceira no crime desde 1996, Carem Rocha Soares. E você, o que aprendeu com as artes?

*Pós-doutor pela Faculty of Information Studies da Universidade de Toronto no Canadá, doutor, mestre e bacharel pela UFMG. Membro do Conselho de Administração da Vitru Ltd (Nasdaq/VTRU), clinical professor na W P Carey School of Business da Arizona State University (EUA) e associate professor na Universidade Politécnica de Hong Kong.

Conteúdos

Relacionados

Inspire-se com Eduardo Moreira, do Grupo Galpão

Inspire-se com Eduardo Moreira, do Grupo Galpão

Prestes a completar 35 anos de estrada, o Grupo...
Cinco passos para impulsionar sua carreira

Cinco passos para impulsionar sua carreira

Conheça as apostas da Dasein para desenvolver sua carreira...
Não encontrou?

Pesquisar...

Receba novidades

Newsletter

Para acompanhar nossas novidades, insights e outros formatos de conteúdo, cadastre-se e siga conosco. Será um prazer ter a sua companhia nessa jornada.