Renascimento do humano

“Vi um anjo no bloco de mármore e simplesmente fui esculpindo até libertá-lo”
Michelangelo Buonarroti (1475-1564)

*Por Thelma Teixeira

Sempre gostei de nomear alguns dos meus artigos usando a palavra arte. No texto “A arte de trabalhar em equipe”, de 2013, usei a definição: “Arte, do latim, significa talento, saber, habilidade. E perícia em empregar meios para obter os resultados”. Para mim, arte significa o que há de melhor, a excelência ao fazer algo difícil. É interessante pensar que “a arte estabelece uma profunda relação entre o homem e seu mundo. Exprime uma realidade interior, mais intensa e não menos significativa do que a exterior, que captamos através dos sentidos” (Coleção Arte nos Séculos, vol. 1).

E como sabemos, nossos sentidos são mestres na arte de nos enganar. Quando percebemos o mundo, nossas ideias e crenças valem mais do que os nossos sentidos. A arte é a expressão de tudo isso, uma forma do ser humano exprimir seus sentimentos e ideias, de comunicar temores, desejos e esperanças.

Faço, atualmente, um curso de História da Arte e ao estudar o Renascimento (1300-1650) chamou-me a atenção, além das belíssimas obras, o que ocorreu na época no que se refere ao ser humano, ou seja, a sua valorização e também o enaltecimento da natureza, em oposição ao divino e sobrenatural, típico da Idade Média.

Os homens compreenderam que poderiam conhecer o mundo pelo uso da razão e procuraram outros meios para explicar a sua presença na Terra. Isso levou a um grande progresso em vários campos do conhecimento. O termo moderno foi utilizado no Renascimento para se opor às crendices, à subserviência e para valorizar o ser humano. Tanto o pensamento moderno como a arte moderna tiveram o objetivo de romper com a ordem social medieval criando o conceito de sujeito. No Renascimento, fatores de ordem social e econômica contribuíram para uma nova visão de mundo. A arte respira um ar de liberdade e a natureza é o foco das atenções, ensinou-nos a professora Zahira Souki.

Já na antiguidade, os gregos consideravam o homem a criatura mais importante do universo e valorizaram especialmente as ações humanas. Também o conhecimento baseava-se na razão, estando acima da fé em divindades, mas o que ocorreu no Renascimento foi um movimento mais amplo.

Em 1988, Fela Moscovici, escreveu o livro Renascença Organizacional. Ela o apresenta como “uma coletânea de anotações e reflexões sobre o homem, a tecnologia e a vida na organização em nossa época”. Para mim, surgiu como uma obra de arte que permanece com conceitos muitos atuais.

A autora destaca que “o surgimento da teoria quântica, da teoria da relatividade, do princípio da incerteza e outras descobertas mais recentes na física sugerem o delineamento de uma nova revolução científica, de consequências ainda mais transfiguradoras do que a iniciada na Renascença”. E que outros conhecimentos, além dos científicos, como filosofia, religião, intuição, deveriam ser considerados. Chama a atenção para a importância de se ter uma visão holística dos fenômenos organizacionais.

Ao falar da realidade organizacional utiliza os conceitos de luz e sombra onde luz são os aspectos visíveis, aparentes, racionais, como missão, estratégia, recursos, tecnologia, valores declarados, normas explícitas etc. Sombra compreende tudo aquilo que a organização ignora, desvaloriza e tenta minimizar como as emoções, sentimentos, inconsciente coletivo, símbolos, entre outros. Ou seja, ela mostra que um processo diagnóstico e de intervenção nas organizações devem envolver fatos, resultados, conclusões, mas ressalta que somente aspectos objetivos não bastam. É preciso incorporar variáveis psicológicas subjetivas na análise e interpretação da realidade. Envolver ciência e arte. Seu apelo é que precisamos “resgatar o humano”. “Revalorizar o homem é a proposta para uma autêntica Renascença Organizacional”, conclui Moscovici.

É interessante que essa nova renascença do século XX dá ênfase à revalorização do homem, com relevo também na emoção, além da razão e acrescentando outros conhecimentos, não só científicos. Hoje, século XXI, temos conhecimento do Princípio da Incerteza, da Teoria do Caos e da Complexidade; usamos o conceito VUCA, que abarca a volatilidade, incerteza (uncertainty) complexidade e ambiguidade. Falamos da Revolução 4.0; do Design Thinking; e outros mais, porém o ser humano não é valorizado como deveria ser.

Estamos vivendo, nas organizações e na sociedade, um período muito difícil de desalento, desânimo, desesperança (que não preciso explicar, pois todos sabem do que estou falando). Tempos de intolerância e inflexibilidade. O ser humano tem sido desrespeitado, o que vem lhe causando ansiedade, angústia e depressão. Segundo a International Stress Management Association somos o país com níveis mais elevados de estresse do mundo: 42% sendo que a média é 11% e dos mais de 100 milhões de brasileiros 30% sofrem com a síndrome de burnout (esgotamento profissional).

Sabemos que as pessoas são complexas, estão em permanente desenvolvimento. Como disse o poeta Fernando Pessoa “cada um de nós é vários, é muitos, uma prolixidade de si mesmos (…) pensando e sentindo diferentemente.” Acrescento: e todas necessitam ser valorizadas e reconhecidas pelo que são e pelo que almejam ser.

É o momento de pensarmos em um novo renascimento, em uma cultura humanista de valorização do ser humano, no qual as pessoas voltem ao foco, não no discurso, mas de verdade e tenham oportunidade de desenvolver suas habilidades, saberes e talentos e que sejam, acima de tudo, respeitadas.

Utopia? Utopia é definida como “lugar que não existe” civilização ideal, fantástica, imaginária, devaneio, ilusão. Ou não? Utopia também tem o conceito de “situação imaginativa que, remetendo ao que é ideal e priorizando a qualidade de vida, garante uma sociedade mais justa.”

É isso o que almejo. Que a imaginação seja transformada em realidade. E que as pessoas sejam libertadas, como fez Michelangelo com o anjo.

*Thelma M. Teixeira é psicóloga, professora associada da FDC e conselheira da ABRH-MG.

 

Conteúdos

Relacionados

Guerra

Guerra

Como se começa uma guerra? Há 100 anos, precisamente...
“It is my core values and commitment that propel me to courageously engage in that battle”

“It is my core values and commitment that propel me to courageously engage in that battle”

Lee Ellis is more than an inspiration to Dasein....
Não encontrou?

Pesquisar...

Receba novidades

Newsletter

Para acompanhar nossas novidades, insights e outros formatos de conteúdo, cadastre-se e siga conosco. Será um prazer ter a sua companhia nessa jornada.